Translate

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Chefe do dia

No inicio deste ano letivo adoptei na sala a rotina do "Chefe do dia". Coloquei na parede as fotografias de todas as crianças do grupo (apesar de algumas nunca serem devido à hora que chegam) e no centro o local onde ficará o eleito. Optei por fazer por ordem alfabética e começo por pedir a cada um que se sente na sua almofada em semi circulo, o chefe desse dia coloca a sua foto e de seguida começa por iniciar algumas das suas funções: distribuição da fruta e das águas. Ao longo do dia vai tendo outras "responsabilidades" como colocar babetes no cesto e ajudar a Tina, a teresa e a Vera no que for solicitado.


Novidade na sala

Uma mamã da sala, emprestou (por tempo indeterminado lol) um brinquedo que lá em casa se tornava muito grande e que não estava a fazer muito sucesso. A verdade é que o meu grupo adorou e todos os dias pedem a pista.

A parte engraçada é que a Tina bem tentou montar como deve de ser mas sem manual de instruções, ficou como mostra a primeira foto quando na verdade a forma correcta é bem diferente (segunda foto). Bem.... eles não se importaram :)




Porque devem os pais pôr os filhos chorar?

Nas últimas semanas, o psicólogo clínico fez um périplo por vários países europeus, tendo sido ouvido no Parlamento Europeu, em Bruxelas, sobre “qualidade na infância”.
Nas últimas semanas, o psicólogo clínico fez um périplo por vários países europeus, tendo sido ouvido no Parlamento Europeu, em Bruxelas, sobre “qualidade na infância”.

 

Gordon Neufeld

"A ideia de fazer tudo para que os filhos sejam felizes, evitando que chorem, está ultrapassada. A teoria de disciplinar sem que a criança chore está desactualizada, diz Gordon Neufeld, psicólogo clínico canadiano que esteve em Portugal no final da semana.
“As crianças precisam da tristeza, da tragédia para crescerem. Precisam de ter as suas lágrimas”, defende. Nos primeiros meses e anos de vida, o “não” dito pelos pais ajuda a disciplinar, em vez de estragar a criança. “Estamos a perder isso na nossa sociedade, não admira que as crianças estejam estragadas com mimos. Afinal, elas são sempre as vencedoras”, continua o investigador que esteve em Lisboa a convite da empresa BeFamily, do Fórum Europeu das Mulheres, da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas e da Associação Portuguesa de Imprensa.
Na conferência sob o lema “Vínculos Fortes, Filhos Felizes”, Neufeld defende que só se atinge o bem-estar através da educação e que esta deve estar a cargo das famílias e não do Estado. E para garantir o bem-estar de qualquer ser humano ou sociedade é necessário preencher seis necessidades.
A primeira é o “aprender a crescer” e para isso há que chorar, é preciso que a criança seja confrontada, que viva conflitos, de maneira a amadurecer, a tornar-se resiliente, a saber viver em sociedade.
A segunda necessidade é a de a criança criar vínculos profundos com os adultos, estabelecer relações fortes. Como é que se faz? “Ganhando o coração dos filhos. É preciso amarmos e eles amarem-nos. Temos de ter o seu coração, mas perdemos essa noção”, lamenta o especialista que conta que, quando lhe entram na consulta pais preocupados com o comportamento violento dos filhos, a primeira pergunta que faz é: “Tem o coração do seu filho?”, uma questão que poucos compreendem, confidencia.
E dá um exemplo: Qual é a principal preocupação dos pais quanto à escola? Não é saber qual a formação do professor ou se este é competente. O que os pais querem saber é se a criança gosta do docente e vice-versa. “E esta relação permite prever o sucesso académico da criança”, sublinha Neufeld, reforçando a importância de “estabelecer ligações”.
E esta ligação deve ser contínua – a terceira necessidade –, de maneira a evitar problemas. Neufeld recorda que o maior medo das crianças é o da separação. Quando estão longe dos pais, as crianças começam a ficar ansiosas e esse sentimento pode crescer com elas, daí a permanente procura de contacto, por exemplo, entre os adolescentes com as mensagens enviadas por telemóvel ou nas redes sociais, muitas vezes, ligando-se a pessoas que nem conhecem, alerta o especialista.
O canadiano recomenda que os pais estabeleçam pontes com os seus filhos. Quando a hora da separação se aproxima, há que assegurar que o reencontro vai acontecer. Antes de sair da escola, dizer “até logo”; à hora de deitar, prometer “vou sonhar contigo”.  
Mas a separação não é só física, há palavras que separam como “tu és a minha morte” ou “tu és a minha vergonha”. Mesmo quando há problemas graves para resolver, a frase “não te preocupes, serei sempre teu pai” ajuda a lembrar que a relação entre pai e filho é mais importante do que o problema. Hold on to your kids é o nome do livro que escreveu e onde defende esta teoria.

A importância de brincar

 

A quarta necessidade a ter em conta para garantir o bem-estar dos filhos é a necessidade de descansar. Cabe aos adultos providenciar o descanso e este passa por os pais serem pessoas seguras e que assegurem a relação com os filhos.
As crianças precisam que os pais assumam a responsabilidade da relação, que mantenham e alimentem a relação, de modo a que elas possam descansar e, nesse período, desenvolver outras competências. Uma criança que está ansiosa pela atenção dos pais não está atenta na escola, por exemplo.
Brincar é a quinta necessidade a suprir. Não há mamífero que não brinque e é nesse contexto que se desenvolve, aponta Neufeld. E brincar não é estar à frente de uma consola ou de um computador; é “movimentar-se livremente num espaço limitado”, não é algo que se aprenda ou que se ensine. E, neste ponto, Neufeld critica o facto de as crianças irem cada vez mais cedo para a escola, o que não promove o desenvolvimento da brincadeira. “Os ecrãs estão a sufocar a brincadeira e as crianças não têm tempo suficiente para brincarem”, nota o psicólogo clínico que, nas últimas semanas, fez um périplo por vários países europeus, tendo sido ouvido no Parlamento Europeu, em Bruxelas sobre “qualidade na infância”.
Por fim, a sexta necessidade é a de ter capacidade de sentir as emoções, de ter um “coração sensível”. “Estamos tão focados em questões de comportamento, de aprendizagem, de educação; em definir o que são traumas; que nos esquecemos do que são os sentimentos. As crianças estão a perder os sentimentos quando dizem ‘não quero saber’, ‘isso não me interessa’, estão a perder os seus corações sensíveis”, diz Neufeld.
Em resumo, é necessário que os pais criem uma forte relação emocional com os filhos, de maneira a que estes sejam saudáveis. Os pais são os primeiros e são insubstituíveis na educação dos filhos e são eles que devem ser responsáveis pelo seu desenvolvimento integral e felicidade. Se assim for, estarão também a contribuir para o bem-estar da sociedade."


in "Life & Style, Família e Relações - Público"

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Conferência sobre "A importância dos vínculos entre pais e filhos"

"Autor do best-seller mundial, “Hold On to Your Kids”, no qual aborda as conexões afectivas entre pais e filhos como a base estruturante da sociedade, Gordon Neufeld vem a Portugal no próximo dia 16 de Novembro para um encontro com profissionais na área da pedagogia e educação e ainda uma conferência aberta ao público mediante inscrição. (Patrícia Susano Ferreira | pferreira@destak.pt)
Gordon Neufeld é um psicólogo canadiano com larga experiência clínica e uma carreira dedicada às questões da infância e relações familiares. A sua passagem por Lisboa no próximo dia 16 de Novembro, marca o final de uma digressão que o autor tem programada para vários países europeus e que inclui uma intervenção no Parlamento Europeu, em Bruxelas, onde se reunirá com o grupo parlamentar "Childhood Quality".

 
Na conferência “Vínculos Fortes, Filhos Felizes”, no próximo dia 16 de Novembro, no Auditório Montepio em Lisboa, entre as 18h30 e as 21h00, Gordon Neufeld abordará, numa linguagem clara e acessível, os seus conceitos de “cultura dos vínculos” e de como esta fomenta sentimentos de pertença e segurança, essenciais para dar sentido à existência humana.

A conferência, especialmente dirigida a todos os pais, professores, educadores e profissionais de saúde infantil, pretende demonstrar a importância do papel dos pais enquanto primeiros e insubstituíveis educadores e formadores dos seus filhos, fortemente responsáveis pelo seu desenvolvimento pessoal integral e pela sua felicidade. Uma oportunidade a não perder, numa reflexão urgente sobre as questões da infância e da adolescência, da educação e do futuro."
 
fonte: naturkinda ecological babies

Bom almoço... seja criativo!


Conheça os perigos do açúcar



Robert Lustig é um médico americano da Universidade da Califórnia (San Francisco, EUA), especialista em obesidade.

Recentemente, ele tem promovido uma campanha para que haja leis restritivas de consumo de açúcar semelhantes às existentes para o álcool e tabaco, o que limitaria especialmente o acesso das crianças a produtos açucarados e para isso considerou várias estratégias. Por exemplo, duplicar o preço dos refrigerantes, para que as crianças não os pudessem pagar. Ter lojas de doces a fechar à tarde, quando as crianças estão a sair da escola. Restringir a publicidade de alimentos com açúcar adicionado. Definir um limite de idade para refrigerantes, possivelmente 17, para que as crianças mais jovens não podessem comprar latas de Coca-Cola.
 

Será que existe motivo para tanta preocupação?

O endocrinologista, que lançou um vídeo no Youtube no qual fala sobre o assunto, cita como exemplo uma série de doenças. Ele defende que o número de problemas de saúde como tensão alta, doenças do coração e vícios alimentares eram muito menores há 30 anos, e o responsável pelo salto nos índices foi o açúcar. Como exemplo, o médico cita a diabetes. Em 2011, havia 366 milhões de diabéticos no mundo (o equivalente a 5% da população), mais do que o dobro em 1980.

Sabemos disso porque, nos anos setenta, o mundo ocidental tinha um baixo teor de gordura. Investigações médicas dizem ter descoberto uma ligação entre a gordura na dieta e ataques cardíacos.
Como sabemos agora, a situação é bastante complicada - algumas gorduras, nomeadamente óleos ômega-3, são realmente bons para o coração. Ainda assim, nos anos setenta, a indústria de alimentos cortavam na gordura. Tivemos iogurte desnatado, baixo teor de gordura em refeições prontas, baixo teor de gordura em molhos, baixo teor de gordura em tudo. O problema, segundo Lustig, "é que, se se tirar a gordura, tudo isto fica com gosto de papelão. Tinha que se fazer alguma coisa." E o que é que eles fizeram? "Eles acrescentaram carboidratos. E isso o que é? Xarope de milho com percentagens altas de frutose e sacarose." 
Assim, à cerca de 35 anos atrás, o mundo desenvolvido fez uma mudança radical na sua dieta.De lá para cá, fomos substituindo a gordura por açúcar. No Reino Unido, por exemplo, os índices são alarmantes: desde 1990, o consumo de açúcar cresceu 35%. Entre as crianças, a ingestão de glicose representa 17% do total de calorias diárias. Um facto interessante é que ano, após ano, nós estamos a comprar menos sacos reais de açúcar - "açúcar visível". Os grandes aumentos estão no "açúcar invisível".